Calvário

O Calvário de Arouca, foi mandado erigir, no século XVII, pela Confraria do Senhor dos Passos, instituída na Capela da Misericórdia em 1621 e que tinha por missão, entre outras, organizar a procissão dos Passos, durante as celebrações da Quaresma. Tal como o Calvário, também os restantes cruzeiros espalhados pela vila, a assinalar o percurso processional, foram mandados construir pela referida Irmandade, mas já no início do século XVIII.

Implantado num maciço rochoso, estamos perante um exemplar de arquitectura religiosa, distribuindo-se os elementos que o constituem de forma irregular e ascendente, desde o nicho, colocado na base, aos cruzeiros, situados no alto do maciço. Na parte mais elevada, destacam-se três cruzeiros de granito, ostentando o cruzeiro central, de estatura mais elevada, a data de 1627 inscrita no pedestal. Um pouco abaixo, do lado esquerdo, encontra-se um púlpito de granito, cilíndrico, datado de 1643. Do lado direito, vêem-se três outros cruzeiros de granito.

Este conjunto implantado num penedio, revive os Passos da Paixão de Cristo, pretendendo aqui mimetizar a natureza rude, abandonada e dolorosa do Calvário, pelo que a integração de um púlpito para a liturgia torna este monumento sintomaticamente original.