A história da Santa Casa da Misericórdia de Arouca está intimamente ligada à história da Vila de Arouca.

A referência mais antiga ao povoado de Arouca data do século VI. No entanto, a consolidação e desenvolvimento da sua malha urbana durante a Idade Média e a Idade Moderna devem-se ao mosteiro cisterciense de Santa Maria, situado no centro da povoação e fundado no século X.

O crescimento cenóbio foi determinante para o desenvolvimento da vila, bem como de toda a região do vale de Arouca e em 1513 D. Manuel I concedeu carta foralenga à povoação local, que assim se tornava sede de concelho.

Cerca de cem anos mais tarde, a povoação local fundou a Misericórdia de Arouca, seguindo o exemplo de muitas vilas do país, que através deste tipo de Irmandade constituíam mecanismos de assistência social e religiosa.

Fundada em 1610, mais precisamente em 5 de Julho, quando foi apresentado em Lisboa o Compromisso da Irmandade com sessenta irmãos fundadores, iniciaram-se pouco tempo depois as obras de construção de uma igreja própria, situada na praça principal da vila.

Ainda em relação aos Irmãos da Misericórdia o seu número foi aumentando ao logo dos anos, ascendendo o seu número efectivo, em 2018, a 277.

Desde a sua fundação, a Santa Casa da Misericórdia de Arouca, sempre se dedicou à prestação de serviços no âmbito do apoio social, com particular incidência para o apoio aos idosos.

Ao longo da sua história a Irmandade teve vários momentos chave, sendo que em relação aos últimos anos salientamos os seguintes:

 

Construção e reconstrução do Hospital da Misericórdia

Em 1964, a Santa Casa da Misericórdia construiu o Hospital da Misericórdia de Arouca. Mais tarde, esse edifício foi cedido ao Ministério da Saúde para o funcionamento do Centro de Saúde de Arouca.

Em 1999, o Ministério da Saúde, procedeu à inauguração de um novo Centro de Saúde em Arouca e devolveu as instalações à Santa Casa da Misericórdia de Arouca, que iniciou as obras de reconstrução.

Em 2006, foram concluídas as obras de reconstrução do Hospital. O funcionamento iniciou-se em Janeiro de 2007, tendo a Misericórdi de Arouca sido pioneira na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, através de protocolo assinado com os Ministérios da Saúde e da Segurança Social. A prestação de serviços na área da saúde começou com o internamento, mas alargou-se em 2009 à fisioterapia e às consultas externas de especialidades. Em 2010, foi assinado um o Acordo de Cooperação com a Administração Regional da Saúde do Norte nas áreas de Fisioterapia, Terapia da Fala e Exames Auxiliares de Diagnóstico e foram estabelecidos diversos acordos com vários subsistemas de saúde e seguradoras, entre os quais SAMS, Médis, Multicare, etc. Em 2012, foi assinada a convenção com a ADSE.

 

Construção da 1ª Fase da Estutura Residencial para Pessoas Idosas

Em 1986, foi inaugurada a 1ª fase da Estutura Residencial para Pessoas Idosas, com um total de 33 quartos, refeitório, cozinha e lavandaria, bem como instalações para o apoio médico e de enfermagem.

 

Aprovação dos Estatutos pelo Bispado do Porto

Em 1989, mais precisamente no dia 11 de Abril, foram aprovados pela Entidade Eclesiástica Competente – Bispado do Porto – os Estatutos da Irmandade da Misericórdia de Arouca, também denominada Santa Casa da Misericórdia ou Misericórdia de Arouca.

Esta aprovação foi lavrada pela inscrição nº 2/88 a fls. 68 do livro nº 2 das Irmandades da Misericórdia, passando o seu registo definitivo em 28 de Dezembro de 1989, pela Portaria nº 778/83 e publicada no Diário da Republica III Série nº 38 de 14 de Fevereiro de 1990.

Desde essa data, a Santa Casa da Misericórdia de Arouca passou a ser reconhecida oficialmente pessoa colectiva de utilidade pública, passando a gozar de isenção nos seguintes aspectos:

- Isenção do Imposto de Capitais, através do Diário da Republica III Série nº 50 de 1 de Março;

- Isenção do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC), através Diário da Republica III Série nº 194 de 24 de Agosto;

 

Construção da 2ª Fase da Estutura Residencial para Pessoas Idosas 

Em 1996, a Estutura Residencial para Pessoas Idosas foi ampliada, com a construção de um segundo edifício, com um total de 14 quartos, 10 suites, 1 capela, uma sala de convívio e uma lavandaria, bem como instalações para a Comunidade das Irmãs Franciscanas. Assim, em termos de instalações da Estutura Residencial para Pessoas Idosas, a Santa Casa da Misericórdia de Arouca passou a ter um total de 47 quartos e de 10 suites.

 

Serviço de Apoio Domiciliário

No ano 2000, a Irmandade, passou também a prestar serviços na área do Apoio ao Domicílio, através de protocolo assinado com o Centro Distrital da Segurança Social.
Este tipo de serviços foi alargado em 2007 e 2015, tendo actualmente capadidade para 54 utentes.

 

Capela da Misericórdia

A Capela da Misericórdia de Arouca construida em 1612, faz parte do património nacional classificado, desde Maio de 1959.
Foi submetida a um restauro, entre os anos de 2007 e 2009, tendo sido aí criado um núcleo museológico onde está exposto todo o acervo de arte sacra da Misericórdia de Arouca.

 

Centro de Dia Eng. Afonso Brandão de Vasconcelos

A construção do Centro de Dia foi concluída e inaugurada em Novembro de 2011. O Centro de Dia tem capacidade para receber 50 utentes e fica situado na Quinta de Urrô, a cerca de 6 km da sede da Misericórdia de Arouca. A sua construção foi financiada pelo Instituto da Segurança Social (PARES II) e pela Câmara Municipal de Arouca.

 

Creche

A creche da Misericórdia de Arouca foi contruída entre 2011 e 2013 através de um financiamento do Instituto da Segurança Social ( PARES III ). Tem capacidade para 43 crianças, dos 3 meses aos 36 meses. 

O início do seu funcionamento, em Setembro de 2013, marcou a história da Misericórdia de Arouca como uma viragem no seu campo de acção, deixando de prestar serviço apenas nas áreas da saúde e terceira idade passando a estar também presente na área da infância.

Núcleo Museológico da Lavoura e do Linho

Aberto ao público em 2013, o Núcleo Museológico da Lavoura e do Linho pretende dar a conhecer a feição etnográfica ligada à cultura do vinho, do linho e dos cereais, bem como as atividades identificativas da laroura tradicional.
Localiza-se numa quinta no centro da freguesia de Urrô, à 5 Km distância da sede de concelho, e resultou da recuperação de um conjunto de edifícios de traça tradicional, constituído por: casa, palheiro, canastro, eira e tanque, a qual foi financiada pelo IFAP - Instituto de Financiamento da Agrocultura e Pescas, em 2012.

Centro do Dia de Tropeço

Funciona desde Dezembro de 2015, nas instalações do Centro Social de Tropeço cedidas à Misericórdia de Arouca para esse efeito.
Tem capacidade para 15 utentes e acordo de funcionamento com Centro Distrital de Segurança Social de Aveiro.